Marketing comportamental: o novo marketing de relacionamento

De 29/12/2020janeiro 10th, 2021Marketing

Marketing comportamental?

O marketing comportamental é a relação direta do consumidor com a marca e o produto envolvendo emoções. Um enxerga o outro e se respeitam.

Não é apenas remarketing ou segmentação de marketing, técnicas utilizadas na criação de sites e campanhas através de códigos de rastreamento que exibem anúncios de produtos buscados ou já visualizados em outro site anteriormente, enquanto navegam novamente em outra plataforma social ou da rede de display do Google.

Vamos falar do marketing comportamental baseado nos diferenciais de marketing que funcionam como gatilhos emocionais para novos leads e vendas.

Tendências do marketing

Hoje, não é um bom marketing a marca prestar muita atenção somente aos eventos, metas e estratégias para venda do produto e, não o suficiente às tendências que determinam aquilo que o consumidor realmente quer. Deve-se fazer perguntas como: Ainda querem o produto? O produto ainda satisfaz?

marketing-comportamental-artguth

Relação direta do consumidor com a marca e o produto envolvendo emoções

Não sabemos ao certo quando surgiu o marketing como conceito. No entanto, desde de que a humanidade existe suas necessidades geram demandas por produtos e serviços. E o marketing era apenas isso: a demanda e o preço do produto.

Num sentido mais amplo, deu-se partida na década de 50 ao marketing em seu formato moderno como estratégia para atender as necessidades do consumidor. Até hoje, o marketing tem passado por transformações e vai sendo contextualizado conforme a sociedade e o consumidor mudam.

Fases do marketing

1.  Marketing 1.0

O marketing orientado ao produto

Na década de 50 os produtos era fabricados em grande escala com o objetivo de reduzir custos. Os consumidores se limitavam à apenas comprarem a produção.

2. Marketing 2.0

O marketing focado no consumidor

Na década de 80 os produtos começaram ser segmentados para atender aos desejos e necessidade do público-alvo. O consumidor começava determinar o preço do que queria.

3. Marketing 3.0

O marketing centrado no ser humano

Na década de 2000 as marcas, os produtos e estratégias começaram ser criadas acompanhadas dos valores do consumidor e da sociedade. Começava a humanização do consumidor que passou a ser visto como alguém que possui valores e sentimentos.

A preferência do consumidor passava a ser por empresas que respeitassem o meio ambiente, sua opinião, o outro, seus direitos. Começa aqui o marketing comportamental, com pessoas tornando-se fãs da marca, onde havia reciprocidade, respeito, uma relação além da razão econômica.

marketing-comportamental-artguth

Do marketing tradicional para o digital

4. Marketing 4.0

Do marketing tradicional para o digital

Na década de 2010 os produtos começaram ser criados pensando na opinião do consumidor e, o consumidor comprando influenciado pela opinião de outros consumidores. Também passaram a ser vendidos online – sob a atenção total do consumidor. Para o bem ou não da marca.

As ideias de Philip Kotler, o pai do marketing moderno estão latentes. O consumidor agora completamente conectado, interage com outros consumidores em tempo real – confere a opinião de outros consumidores antes comprar. Através de depoimentos nos sites de compra, de reviews no Youtube, das consultas sobre a marca em sites de reclamações, nas indicações e recomendações nas redes socias e etc.

Do produto apenas como razão de compra no mundo pós-guerra (Marketing 1.0), ao produto focado no consumidor (Marketing 2.0) e depois nos seus valores (Marketing 3.0), agora o marketing é totalmente comportamental (Marketing 4.0), em uma relação cada vez mais próxima de ambos os lados.

Segundo Kotler, é necessário correr mais rápido para continuar no mesmo lugar. Em 1999 definiu o marketing como a arte de descobrir oportunidades, desenvolvê-las e lucrar com elas.

Assim, como dificilmente nos desligamos de pessoas por quem temos os melhores sentimentos, com uma marca acontece o mesmo, é uma relação de reciprocidade com o público-alvo.

Por trás das ações do consumidor não está mais apenas a razão com decisões previamente calculadas ou impostas, mas agora envolvem emoções influenciáveis por diversos padrões, como define Robert Cialdini no seu livro Influence – As Armas da Persuasão.

1. Reciprocidade
2. Consistência
3. Prova social
4. Escassez
5. Autoridade
6. Gosto

Ligar a marca ao sentimento das pessoas é o grande desafio dos profissionais de marketing, especialmente no marketing comportamental, agora digital.

A marca faz bem para você e resolve suas questões? Começa aí uma grande relação. Mas com o tempo essa relação pode ficar desgastada. Até parecem coisas do amor, só que não, é uma questão de reciprocidade mesmo. E renovar sempre é o segredo.

Diferenciais de marketing

A questão não é renovar apenas com uma “nova fórmula”, uma “nova embalagem”. Era assim até o marketing 3.0. Mas agora, as mesmas ideias repetidamente, ficam manjadas e tornarão qualquer estratégia neste sentido sem brilho e sem graça, levando o consumidor a desconfiar do produto. O ideal é se reposicionar com novos diferenciais de verdade.

marketing-comportamental-artguth

Ofereça diferenciais e o seu target vai te amar ainda mais

O que a sua marca tem para o seu público consumidor hoje que os seus concorrentes ainda não oferecem? Ofereça e o seu target vai te amar ainda mais.

Em 9 de janeiro de 2007, Steve Jobs subia ao palco do Moscone Center, na cidade de San Francisco, para anunciar um produto revolucionário que iria mudar todos os rumos da indústria de tecnologia dali para frente.

Os celulares já eram aparelhos comuns na vida das pessoas há pelo menos 10 anos. Mas foram apenas criativos. O fundador da Apple acrescentou neles um diferencial de marketing: a “inovação”. Repensou o produto como uma extensão do corpo humano e a forma como iria vendê-lo.

Consumidor apaixonado

Um consumidor apaixonado é o melhor “vendedor” que uma marca pode ter. O consumidor apaixonado não reclama. Nas redes sociais o consumidor apaixonado só elogia e ainda indica a marca para todo mundo. A marca que enxerga os valores de um consumidor apaixonado entendeu o novo marketing.

marketing-comportamental-artguth

Um consumidor apaixonado é o novo “comprador” e “vendedor”

A mensagem transmitida pela marca ao consumidor deve ser coerente e uniforme, acompanhada de valores humanos, para que o consumidor não a rejeite nem a desafie.

Os diferenciais de marketing devem ser atraentes e reais, uma solução de fato, relacionado ao produto ou ao serviço, porque é o que o consumidor deseja.

Todo mundo pode ser apaixonado por uma marca: da lojinha do seu zé aos grandes empreendimentos e grandes marcas. O consumidor apaixonado por uma marca local, regional, nacional ou internacional é o comprador e o vendedor no novo marketing: o marketing de relacionamento – o marketing comportamental.

O marketing comportamental é um tema complexo, e com essa breve introdução, apontamos para os diferenciais de marketing, que funcionam como gatilhos mentais e envolvem emoções influenciáveis a partir de diversos padrões, que podem ser criados numa campanha de marketing e estratégias de branding baseados com valores humanos e forte reciprocidade.

Do contrário, é o marketing negativo, que se espalha e, ban! No sentido de “cancelamento”, quando nem com um gerenciamento de crise, a marca volta a ser relevante.

Decida hoje reposicionar a sua marca. Conte com a gente!

Posso ajudar?